Estrobilurinas (= fungicidas QoI) (azoxistrobina, piraclostrobina, trifloxistrobina)  

 

Triazóis (= fungicidas DMI) (difenoconazol, tebuconazol)

 

Benzimidazóis e Tiofanatos (= fungicidas MBC) (carbendazim, tiofanato-metílico)

 

Cúpricos / Ditiocarbamatos / Dicarboximidas (= fungicidas a base de cobre, mancozebe, captana)

 

 

Os programas de Fungicidas devem apresentar um controle efetivo das doenças. O efetivo manejo de doenças é um componente crítico para retardar o aumento de populações de patógenos resistentes.

 

  • As recomendações baseadas em Estrubilurinas, Triazóis, Benzimidazois e Tiofanatos e Multi-sites devem ser aplicadas em doses, intervalos e épocas de aplicação de acordo com a recomendação das empresas;

  • Não reduzir ou dividir a dose recomendada dos fungicidas, usando múltiplas e repetidas aplicações e em intervalos diferentes do recomendado pelo fabricante (essa medida promove a pressão de seleção contínua e acelera o desenvolvimento de populações resistentes naturalmente existentes em baixa freqüência).

 

 

Pinta-preta (Phyllosticta citricarpa):

 

Estrobilurinas (= fungicidas QoI) (azoxistrobina, piraclostrobina, trifloxistrobina)

 

Benzimidazóis e Tiofanatos (= fungicidas MBC) (carbendazim, tiofanato-metílico)

 

Cúpricos / Ditiocarbamatos / Dicarboximidas (= fungicidas a base de cobre, mancozebe, captana)

 

  • As Estrobilurinas são muito eficazes na prevenção da germinação de esporos e deverão ser utilizadas nas fases iniciais de desenvolvimento da doença (tratamento preventivo). Sendo assim, devem ser utilizadas dentro de um programa de uso por cultivar e região;

    • Quando produtos QoI são aplicados de forma isolada, estes não devem exceder 1/3 (33%) do número total de aplicações por safra;

    • Para programas de uso de produtos QoI em associação com fungicida de diferente modo de ação, o número de aplicações não deve ultrapassar 50% do total de aplicações de fungicidas;

  • Um produto para ser associado a uma Estrobilurina deve ser aquele que apresenta controle satisfatório da doença quando usado isoladamente. 

 

 

Estrelinha (Colletotrichum acutatum): 

 

Triazóis (= fungicidas DMI) (difenoconazol, tebuconazol) 

 

Benzimidazóis e Tiofanatos (= fungicidas MBC) (carbendazim, tiofanato-metílico)

 

  • A recomendação para o uso de fungicidas DMI deve ser sempre em aplicações preventivas. A aplicação deve ser feita na fase “cabeça de alfinete” a “cabeça de fósforo” e uma segunda aplicação na fase “cotonete” ou “pipoca”.

  • As aplicações curativas favorecem a pressão de seleção contínua e aceleram o desenvolvimento de populações resistentes e, portanto, não devem ser utilizadas;

  • Além das recomendações acima, utilizar todas as medidas agronômicas necessárias para reduzir a fonte de inóculo, também devem ser utilizadas medidas de Manejo Integrado de Doenças, para impedirem a disseminação de patógenos para outras propriedades (implementos, pessoas, veículos, máquinas e material de colheita) através da desinfecção dos mesmos antes de adentrarem os pomares.

Culturas

Recomendações para a cultura do Citros

FRAC - Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas

A sua origem foi resultado de um curso de resistência a fungicidas em 1980 e um seminário da indústria em 1981 em Bruxelas. Hoje em dia é formado por um comitê central e 6 grupos de trabalho, cada um dedicado a um determinado grupo de fungicidas que têm modo de ação semelhante.

 

Saiba mais...

O FRAC-BR AGORA ESTÁ ASSOCIADO AO DEFESAVEGETAL.NET

PARA RECEBER NOTÍCIAS SOBRE O MANEJO FITOSSANITÁRIO, ACESSE:

WWW. DEFESAVEGETAL.NET

Desenvolvido por Oxya Agro e Biociências